Filmes

Karigurashi no Arrietty

Os Pequeninos
Dados Técnicos
Título Original: Karigurashi no Arrietty
Título Internacional:The Borrower Arrietty
Título no Brasil: O Mundo dos Pequeninos
Estréias:
– Japão: 17 de Julho de 2010
– França: 12 de Janeiro de 2011
– Inglaterra: 29 de Julho de 2011
– EUA: 17 de Fevereiro de 2012
– Brasil: Lançado em DVD e Bluray pela Califórnia Filmes – compre AQUI.

Produção: Studio Ghibli
Direção: Hiromasa Yonebayashi
Script: Hayao Miyazaki, baseado no romance The Borrowers de Mary Norton.
Prêmios: O filme recebeu o prêmio de Animação do Ano na 34a. Premiação da Acadêmia do Japão.

Outras informações:
– O filme teve a participação de Hayao Miyazaki, que escreveu o roteiro baseado no livro The Borrowers (Os Pequeninos), da escritora Mary Norton.
– A trilha sonora traz canções da cantora francesa Cécile Corbel, uma grande fã do Studio Ghibli, e foi através de Toshio Suzuki que sua composição foi escolhida para Arrietty.
– Este filme marca a estréia de Hiromasa Yonebashi como diretor, que pediu vários conselhos a Hayao Miyazaki durante o trabalho.
– 7.5 milhões de pessoas viram o filme nos cinemas, um recorde para um filme japonês dirigido por um diretor estreante.
– A história se passa em 2010, em Koganei, um bairro no oeste de Tokyo, onde fica também o Studio Ghibli.

Sinopse: Baseado no livro The Borrowers da escritora Mary Norton, o filme conta a história da pequenina Arrietty e sua família, vivendo em uma casa de humanos e pegando “emprestado” coisas que eles não sentem falta. A história se passa em Koganei em 2010.

Resenha por Monolice – equipe Studio Ghibli Brasil
CUIDADO! ESTE TEXTO CONTÉM SPOILERS

A primeira coisa que me chamou a atenção quando a animação de Arrietty começou foi a música. A trilha traz canções da cantora francesa Cécile Corbel, que é uma grande fã do Studio Ghibli. A música, simplesmente sublime, encaixa-se harmoniosamente com o cenário da animação. Aliás, devo aqui fazer uma observação: os cenários de Arrietty são incríveis. A animação flui, em uma imagem sincronizada, lembrando os efeitos de O Castelo Animado, cada tela rica em detalhes, uma profusão de cores, iluminação perfeita, nada é esquecido. O longa é bonito, isto é inegável.

A animação conta a história de Arrietty, uma pequenina que vive em uma casa com seu pai e sua mãe. Os pequeninos são semelhantes aos seres humanos, em tamanho reduzido, e devem se esconder para sobreviver. Eles “pegam” coisas emprestadas dos seres humanos para garantir seu sustento. Arrietty e seus pais acreditam serem os últimos de sua espécie, e seu lema é sobreviver a qualquer custo, e para isso os humanos não podem vê-los.

A vida calma dos pequeninos termina quando Shou, um garoto muito doente, passa a se hospedar na casa. Shou vê Arrietty quando chega a casa, e fica intrigado com a pequenina. Isso porque a mãe de Shou contou a ele as lendas de que antigamente, nesta casa, viviam os pequeninos. O encontro entre Shou e Arrietty acontece quando o pai permite que ela faça o primeiro roubo, que acaba em desastre. Apesar disso, o pai de Arrietty decide permanecer para ver onde vai dar.

A amizade nasce entre Shou e Arrietty, mas como coexistir em um mundo onde os pequeninos são a minoria? Apesar das boas intenções do rapaz, esta ligação traz perigos para a família de Arriety, através da obsessão da empregada da casa, Haru, que decide capturá-los a qualquer preço para provar que eles existem.

Shou entende então que não é todo mundo que pode conhecer e aceitar os pequeninos, e ajuda a família de Arrietty a se manter em segurança. O próprio garoto, de cirurgia marcada, entende finalmente que ele deve lutar e sobreviver, assim como Arriety e sua família fazem.

O filme ensina pela simplicidade. Não há antagonistas, há apenas os caracteres e suas vidas, cada qual tentando existir. A história corre de tal forma que imaginar os pequeninos não se torna tão asburdo. É preciso imaginação, mas não é um filme de grandes extremos. A história é mais madura que Ponyo, lembrando mais filmes como O Castelo Animado e Contos de Terramar. Estamos aguardando ansiosos a recepção do filme nos EUA e na Inglaterra, que determinarão as chances do filme no Brasil. A equipe Studio Ghibli Brasil recomenda!

Mais na internet:
Galeria de Imagens: Buta Connection
Página no IMDB: Kari-gurashi no Arietti

Comentários

Comentários