Filmes

História

“O Quente Vento do Deserto do Saara”. Para muitos, essa frase pode não fazer sentido algum, mas para Hayao Miyazaki, esse vento que se chama Ghibli seria aquele mudaria para sempre a história da animação mundial.

Graças ao sucesso alcançado por Nausicaä do Vale do Vento (Kaze no Tani no Naushika, 1984), no ano seguinte, em 1985, nasce o Studio Ghibli. Sua história, porém, começa 30 anos antes com o encontro de Hayao Miyazaki e Isao Takahata, futuros pais do estúdio.

 nausicaa

Nausicaä do Vale do Vento (Dir. Hayao Miyazaki, 1984)

Em 1974 os dois se encontravam durante a produção de um Anime de grande sucesso no mundo inteiro – inclusive no Brasil –Heidi (Heidi Arupusu no Shojo Haiji). Enquanto Takahata dirigia as séries, Miyazaki fazia um trabalho sobre-humano para conseguir desenhar o layout de cada episódio detalhadamente. Isso fez com que os dois percebessem que para fazer as animações de alta qualidade, como desejavam, precisariam de um tipo de mídia onde os prazos não fossem tão apertados como são nas séries de televisão. Foi assim que surgiu a idéia da criação de um estúdio para produzir filmes cuidadosamente desenhados, com enredo e qualidade impecáveis, e o mais importante, de seu próprio jeito. Hayao Miyazaki, Isao Takahata e Toshio Suzuki uniram-se para fazer filmes animados do jeito que quisessem fazer.

diretores

Hayao Miyazaki                                                          Isao Takahata                                                     Toshio Suzuki

Assim, o primeiro filme do Studio Ghibli, que estreou em 1986, foi Laputa: O Castelo no Céu (Tenkû no Shiro Rapyuta) levando 775 mil pessoas aos cinemas – um sucesso de bilheteria e de crítica. Sempre inovando, 2 anos depois, o Studio Ghibli surpreendeu mais uma vez lançando dois filmes ao mesmo tempo. Para muitos estúdios esse desafio seria impossível de se cumprir sem comprometer a qualidade da animação ou a gestão dos recursos, mas Meu Vizinho Totoro (Tonari no Totoro), dirigido por Hayao Miyazaki, e Túmulo dos Vagalumes (Hotaru no Haka), de Takahata, se tornaram obras primas consideradas por muitos os melhores filmes do Studio Ghibli até hoje. Atualmente o logo do Studio Ghibli é o perfil de Totoro, personagem principal do filme.

 laputa-totoro-mononoke

Laputa: O Castelo no Céu                                   Meu Vizinho Totoro                                     O Túmulo dos Vagalumes

O reconhecimento que esses filmes trouxeram ao Studio Ghibli foi um dos fatores que contribuiu para que o próximo filme atingisse um número surpreendente de expectadores. Aproximadamente 2,64 milhões de pessoas foram ao cinema em 1989 para assistir O Serviço de Entregas da Kiki (Majo no Takky?bin), fazendo com que esse fosse o filme mais visto no Japão durante aquele ano. Diante desse grande sucesso, aquele pequeno e idealizado estúdio de animação ficou muito limitado, então algumas mudanças operacionais no estúdio mostraram-se necessárias, fazendo com que houvesse uma grande reforma.

Até 1989 o Studio Ghibli não mantinha funcionários fixos e eles eram pagos por cada célula desenhada. Apesar disso ser o normal na indústria da animação, fazia com que o salário do pessoal do estúdio fosse abaixo do merecido. Assim, depois do lucro gerado por Kiki, a direção do Studio Ghibli decidiu regularizar os funcionários que passaram a trabalhar em período integral e ter um salário fixo. Além disso, foi decidido que seriam contratados novos animadores regularmente.

kiki

O Serviço de Entregas da Kiki

 O presidente do Studio Ghibli foi muito importante para que essas mudanças pudessem ocorrer. Yasuyoshi Tokuma, um grande empresário japonês acreditava no estúdio e por isso deu e ainda da total liberdade a Miyazaki e Takahata, raramente influenciando nas decisões. Mesmo assim, nos momentos cruciais de dificuldade, Tokuma sempre aparece para tomar conta da situação e garantir o futuro do Studio Ghibli.

O alto custo dessas mudanças que dobraram o valor pago pelo estúdio aos seus funcionários foi compensado pelo próximo filme de Isao Takahata. Only Yesterday (Omohide Poroporo) foi muito bem recebido pelo púbico, fazendo também com que fosse o filme mais visto no Japão em 1991. O diretor executivo da época, Toru Hara, definiu a política do Studio Ghibli como “3As”: Alto Custo, Alto Risco e Alto Retorno. Baseado nisso, após Only Yesterday o estúdio começou a investir mais em marketing. Esse investimento, porém não foi visando altos lucros para abastecer o bolso de ambiciosos executivos e sim pagar o salário dos animadores responsáveis por tão belos trabalhos e garantir um financiamento para o próxima longa do estúdio.

only-yesterday

Only Yesterday

Com funcionários trabalhando em tempo integral, não havia tempo a perder. Por isso, antes mesmo que Only Yesterday fosse concretizado, o estúdio já havia iniciado a produção de Porco Rosso (Kurenai no Buta). Isso logo fez com que o espaço físico do estúdio ficasse muito apertado. Eram aproximadamente 90 pessoas em um espaço de 300m². Por isso, apesar de não haver recursos suficientes, Hayao Miyazaki sugeriu que uma nova sede fosse construída. Toru Hara era contra a idéia e por isso acabou se afastando do Studio Ghibli, mas o presidente Tokuma encorajou a decisão dizendo que ele havia dinheiro suficiente no banco e poderia bancar a obra.

Assim, durante um bom tempo Hayao Miyazaki ficou trabalhando sozinho na produção de Porco Rosso e na planta do novo estúdio. Ele foi o responsável pela arquitetura do prédio e por organizar a construção de modo que ela ficasse o mais parecida possível com o que ele planejava. Em 1992 ficaram prontos o novo filme e a nova sede. O novo prédio, de 1100m² foi construído na cidade de Koganei, no distrito de Tokyo. Porco Rosso… mais uma vez teve a maior bilheteria do ano superando clássicos como A Bela e a Fera, da Disney que estreou naquele mesmo ano.

porco-rosso

Porco Rosso

Em 1993, o Studio Ghibli comprou 2 câmeras computadorizadas fazendo assim com que o departamento de fotografia do estúdio pudesse ser enfim concretizado. O novo prédio tinha espaço e recursos para todos os departamentos de um estúdio de animação completo, isso permitiu que o Studio Ghibli pudesse se tornar ‘auto-suficiente’, deixando de depender de outras empresas para a fotografia. Ao contrário da tendência da indústria de animação, o Studio Ghibli queria que todos os passos dos longas fossem feitos lá.

Nesse mesmo ano, pela primeira vez um diretor que não o Miyazaki ou o Takahata dirigiu um filme. Trata-se de Ondas do Oceano (Umi ga Kikoeru), de Tomomitsu Mochizuki. O filme de 70 minutos foi um especial elaborado para a televisão principalmente por animadores recém contratados que haviam feito carreira no estúdio.

oceanwaves-pompoko

Ocean Waves                                                                                                               Pom Poko

Em 1994, foi lançado Pom Poko: A Guerra dos Guaxinins (Heisei Tanuki Gassen Ponpoko), que, ‘para variar’, também foi o mais visto no ano. Esse filme foi o primeiro do estúdio em que foi utilizado CG (ou computação gráfica). Nesse ano, o Studio Ghibli contava com 99 funcionários. 46 animando, 8 pintando, 12 desenhando, 4 fotografando, 12 dirigindo e produzindo, 5 divulgando e 12 administrando.

Sussurros do Coração (Mimi wo Sumaseba), de 1995 também trazia inovações. Dessa vez, Miyazaki cuidou da produção e do roteiro, deixando a direção para o Yoshifumi Kondo. Com isso, Hayao Miyazaki visava treinar seus animadores para que eles pudessem um dia assumir as rédeas do estúdio. Yoshifumi Kondo já havia sido diretor de animação em Túmulo dos Vagalumes, Kiki e Only Yesterday, sendo inclusive muito disputado entre Miyazaki e Takahata. Com Sussurros do Coração, Kondo se mostrou um habilidoso e experiente diretor pronto para encarar os desafios típicos do Studio Ghibli.

sussurros-coracao

Sussurros do Coração

Dois anos depois, em 1997, Hayao Miyazaki concluiu o filme que lhe deu a maior projeção internacional até então. Princesa Mononoke (Mononoke Hime) surpreendeu o mundo todo com um filme muito maduro e sincero. Tratando de um assunto que a cada dia que passa fica mais atual, Mononoke mostrou na época a capacidade do diretor de atingir qualquer público com suas animações.

Esse trabalho também contou com uma grande parcela de CG (Computação Gráfica), a partir de modernos equipamentos adquiridos pelo Studio Ghibli. Com o advento da tecnologia naqueles dias, o estúdio utilizava esse recurso para cobrir cenas simples porém trabalhosas de serem feitas à mão.

mononoke

Princesa Mononoke

Como ficou evidente até aqui, um dia de trabalho no Studio Ghibli é sempre um desafio a ser vencido, o que faz com que haja um esgotamento muito grande por parte dos animadores. Por causa disso, depois de Mononoke, Hayao Miyazaki anunciou que se aposentaria da escrivaninha, trabalhando apenas ocasionalmente fazendo roteiros e dando assistência. Com isso, o diretor desejava também dar um espaço maior para os jovens animadores. No ano seguinte, porém, a trágica morte de Yoshifumi Kondo abalou fortemente o Studio Ghibli. Vítima de um aneurisma, Kondo mobilizou seus vários fãs e colegas de trabalho com a perda de um dos melhores animadores de Studio Ghibli. Nesse mesmo mês, Hayao Miyazaki perdeu o rumo dos acontecimentos se afastou oficialmente do estúdio fundando uma nova empresa, chamada Butaya. No ano seguinte, porém, Miyazaki volta ao Studio Ghibli, com novos planos.

Em 1999, Isao Takahaka termina Meus Vizinhos os Yamadas (Tonari no Yamada-kun), filme totalmente computadorizado feito a partir de sketches aquarelados. Esse é o último filme de Takahata até o anuncio de que ele estaria planejando outra longa, em 2008. Em 2001, é lançado A Viagem de Chihiro (Sen to Chihiro no Kamikakushi) de Hayao Miyazaki. O filme, que estreou também nos cinemas brasileiros, garantiu seu sucesso no mundo todo conquistando além de vários outros prêmios importantes, o Urso de Ouro em Berlim e o Oscar de melhor animação. Apesar disso, Miyazaki mais uma vez anunciou o fim da sua carreira como diretor, porém voltando atrás novamente alguns anos depois.

yamadas-gatos

Meus Vizinhos os Yamadas                                                                          O Reino dos Gatos

 2002 é o ano de O Reino dos Gatos (Neko no Ongaeshi), filme que, traçando um paralelo com Sussurros do Coração, utiliza alguns dos personagens como Muta, o gato e o barão em um enredo totalmente independente. Foi nessa ocasião que o Miyazaki mais uma vez assegurou a seus fãs que não pretende fazer uma continuação para nenhum de seus filmes.

Em 2004 Miyazaki conclui outro filme de grande projeção internacional, O Castelo Animado (Hauru no ugoku shiro). O filme que conta com alguns trechos de CG traz um extra que mostra pela primeira vez detalhes das técnicas de computação utilizadas no Studio Ghibli.

castelo-terramar

O Castelo Animado                                                                                                  Contos de Terramar

Dois anos depois, Goro Miyazaki, o filho do diretor Hayao, dirige seu próprio filme. Contos de Terramar (Gedo Senki), de 2006 foi uma produção muito polêmica, pois apesar de ter a qualidade dos filmes do Studio Ghibli, causou estranheza a muitos fãs e inclusive ao próprio pai do diretor, Hayao Miyazaki. Isso garantiu ao longa diversos prêmios – tanto positivos quanto negativos – por todo o mundo.

Em 2008, Toshio Suzuki, o presidente executivo do estúdio que havia assumido em 2005 se demitiu do cargo. Apesar disso, ele continuou trabalhando no Studio Ghibli como produtor. O ex-presidente afirmou que ao invés de exigir que os animadores fizessem um bom trabalho, ele queria fazer isso com as próprias mãos. Assim, a presidência executiva do estúdio passou para as mãos de Koji Hoshino. Nesse mesmo ano, foi lançado o mais novo filme do Studio Ghibli e do Hayao Miyazaki.

 ponyo

Ponyo

Ponyo (Gake no Ue no Ponyo) é o resultado de anos de trabalho. O filme foi totalmente desenhado a mão sem nenhum tipo de computação gráfica e foi um enorme sucesso no Japão e no mundo. Aqui no Brasil, o filme chegou em 30 de Julho de 2010. 

Em 2010, o Studio Ghibli lança no Japão o filme Karigurashi no Arrietty (no Brasil intitulado O Mundo dos Pequeninos), do diretor Hiromasa Yonebayashi, onde 7.5 milhões de pessoas viram o filme nos cinemas, um recorde para um longa-metragem japonês dirigido por um diretor estreante.

Já o ano de 2011 marcou o retorno de Goro Miyazaki na direção de um novo filme do Studio, o carismático “Kokuriko-Zaka Kara” (From Up on Poppy Hill nos EUA, sem lançamento no Brasil), sendo este mais bem recebido que seu filme de estréia.

arrietty-kokuriko

O Mundo dos Pequeninos                                 From Up on Poppy Hill

Chegando em 2012, o Studio Ghibli anunciou 2 filmes que chegariam aos cinemas do Japão no ano seguinte: Kaze Tachinu (que chegou no Brasil como Vidas ao Vento), última obra de Hayao Miyazaki que anunciaria posteriormente sua aposentadoria definitiva dos cinemas, e Kaguya-hime no Monogatari, de Isao Takahata, que rompeu um hiatus após 14 anos sem lançar longa-metragens.

Kaze Tachinu (The Wind Rises, nos EUA) foi nomeado e consequentemente venceu diversos dos prêmios para os quais foi indicado, sendo incluído na lista do Oscar de 2014 na categoria Melhor Animação, não levando a estatueta. Porém tal reconhecimento fez com que o filme fosse trazido aos cinemas do país em Fevereiro de 2014.

vidas-kaguya

Vidas ao Vento                                                                                     Kaguya-hime no Monogatari 

O Studio Ghibli continua em atividade e entre seus mais recentes projetos estão a série de TV animada vencedora do Emmy “Ronja, A Filha do ladrão” digirida por Goro Miyazaki e o o mais recente filme “As Memórias de Marnie”, dirigido por Hiromasa Yonebayashi, o mesmo diretor de “O Mundo dos Pequeninos”. Além desses projetos já lançados, Hayao Miyazaki vem trabalhando em um curta totalmente em 3D (aliás, o primeiro do Studio) que terá exibição exclusiva no Museu Ghibli, com previsão de término para daqui 2 anos.

Comentários

Comentários